O que é a depressão e como a atividade física pode ajudar no combate e na cura?

Tempo de leitura: 5 minutos

Você já deve ter ouvido que a Depressão é a doença do século. E é mesmo. Ela tira tudo que há de bom e pode ser fatal, se não for diagnosticada e devidamente cuidada. Confira neste post tudo o que você precisa saber sobre a doença e como você poderá utilizar a atividade física como complemento ao seu tratamento médico e psicoterápico.

Você provavelmente já ouviu falar ou já lidou com algum amigo ou familiar que estivesse com depressão.

A doença afeta mais de 322 milhões de pessoas no mundo, segundo dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2017.

Os números também são alarmantes no Brasil. De acordo com a OMS, mais de 11,5 milhões de brasileiros enfrentam a doença, o que equivale a 5,8% de nossa população.

Dividimos o conteúdo em tópicos para que você possa melhor assimilar. Vamos lá?

O que é a depressão?

Basicamente, a doença é psiquiátrica, crônica e recorrente, e é caracterizada por produzir uma forte alteração do humor do indivíduo, marcada por uma tristeza profunda, sem fim, associada a sentimentos de dor, amargura, desencanto, desesperança, baixa autoestima e culpa, assim como a distúrbios do sono e do apetite.

Mais tecnicamente, é um distúrbio mental decorrente de um conflito interno e de uma alteração bioquímica, visto que, pode ser desencadeado por vários fatores: psíquicos, orgânicos e sociais.

Quais são as causas e sintomas?

Existem fatores genéticos envolvidos nos casos de depressão, doença que pode ser provocada por uma disfunção bioquímica do cérebro.

Entretanto, nem todas as pessoas com predisposição genética reagem do mesmo modo diante de fatores que funcionam como gatilho para as crises: acontecimentos traumáticos na infância, estresse físico e psicológico, algumas doenças sistêmicas (ex: hipotireoidismo), consumo de drogas e certos tipos de medicamentos.

Além de sentir-se deprimido a maior parte do tempo e a queda no interesse e prazer para realizar a maioria das atividades do dia a dia, estudos indicam os sintomas da depressão:

  • Alteração de peso;
  • Distúrbio de sono;
  • Problemas psicomotores (agitação ou apatia, quase todos os dias);
  • Fadiga ou perda de energia constante;
  • Sentimento de Culpa excessiva;
  • Dificuldade de concentração;
  • Pensamentos suicidas;
  • Baixa autoestima,
  • Alteração da libido.

Tratamento

Depressão é uma doença que exige acompanhamento médico sistemático, além de acompanhamento psicoterápico (com psicólogos). No entanto, pode haver a necessidade de tratamento com medicação, e por isso, indicamos que sempre procure um médico para averiguações de sua saúde física e mental.

Existem diversos estudos e evidências de que a atividade física, associada aos tratamentos farmacológicos e psicoterápicos representa um recurso importante para reverter o quadro de depressão.

Como a atividade física pode ajudar no combate à depressão

Recentemente, vários estudos bem delineados têm demonstrado a eficácia de diferentes formas de tratamento para a depressão. A atividade física tem estado entre essas novas descobertas, onde seus efeitos antidepressivos têm recebido considerável atenção.

Alguns benefícios que a atividade física pode proporcionar são a distração dos estímulos estressores, melhor qualidade de vida, maior controle sobre o seu corpo e sua vida, melhora da capacidade respiratória, o aumento de estímulos ao sistema nervoso central, na memória recente, funções motoras e a interação social, proporcionada pelo convívio com outras pessoas.

Durante a realização de exercícios físicos, o organismo libera dois hormônios essenciais para auxiliar no tratamento da depressão, a endorfina e a dopamina. Ambos têm influência principalmente sobre o humor e emoções.

Estudos afirmam que a prática de exercícios físicos aeróbios de 20 a 40 minutos, duas vezes por semana, tem a capacidade de liberar B-endorfina.

Esse hormônio propicia um efeito tranquilizante e analgésico maior que a endorfina no praticante regular. A pessoa consegue beneficiar-se de um efeito relaxante e manter-se em um melhor estado psicossocial.

Vale destacar também o efeito da serotonina, um importante neurotransmissor que também regula o nosso humor, temperatura corporal, etc.

Exercícios ao ar livre são muito benéficos, pois há maior sensação de aumento de energia e motivação, juntamente com diminuição da tensão, raiva, confusão mental e depressão.

É comprovado também que os praticantes de atividades físicas têm maior prazer em repetir as atividades no dia seguinte. Dessa forma, a atividade física, aliada à psicoterapia e ao tratamento farmacológico, é um instrumento importante, não apenas como papel de reabilitação ou ocupacional, mas terapêutico da mesma forma.

Conclusão

Agora que você já conhece bem sobre a depressão, os sintomas e as possíveis causas, está na hora de começar a pensar em você mesmo e a cuidar do seu autoamor. Cuidar de si é amar tudo o que você tem de bom na vida, e valorizar quem você é. Comece agora uma nova fase, uma nova história para a sua vida. Comece a praticar atividades físicas e sinta as benfeitorias e as melhorias para todos os campos possíveis.

QUERO COMEÇAR HOJE.


Estas informações não substituem orientação médica. Caso suspeite estar com depressão, procure imediatamente ajuda do seu médico.


REFERÊNCIAS